Os números mágicos

Ao se analisar todos os campeonatos brasileiros disputados desde 2006, sempre 20 clubes que jogam entre si em turno e returno, é possível afirmar três coisas: nunca um time que fez 46 pontos foi rebaixado; nunca um time que somou 54 pontos ficou fora da Copa Sul-Americana; e nunca uma equipe que atingiu a marca de 65 pontos deixou de se classificar para a Libertadores.

Os números acima são os de pico, além de qualquer risco. Já houve time que caiu com 45 pontos. Já teve equipe que se classificou para a Sul-Americana com 44. Já aconteceu de um time se classificar para a Libertadores com 60 pontos. Nunca, porém, as agremiações que obtiveram as pontuações citadas no primeiro parágrafo deixaram de atingir o objetivo respectivo.

São cinco campeonatos disputados no modelo atual. A competição é disputada em pontos corridos desde 2003, mas até 2005 houve variações no número de participantes e de rebaixados. A partir de 2006, os números se estabilizaram em 20 e em quatro, respectivamente, com quatro vagas para a Libertadores e oito para a Sul-Americana.

De 2006 para cá, a única mudança ocorreu no critério para classificação para a Copa Sul-Americana. Em 2006 e 2007, o campeão brasileiro também garantia vaga na Sul-Americana. As outras sete vagas eram das equipes que se classificavam a seguir do último a se qualificar para a Libertadores do ano seguinte.

A partir de 2008, o campeão nacional perdeu esse privilégio de se classificar para as duas competições continentais e os oito qualificados para a Sul-Americana são os que vêm atrás dos quatro times que obtiveram vaga para a Libertadores.

O que interfere na classificação para as duas competições é a campanha no campeonato brasileiro das equipes que ganharam Copa do Brasil, Libertadores e Sul-Americana no mesmo ano.

Libertadores

Em 2006, por exemplo, o Figueirense fez sua melhor campanha, terminando em 7º lugar com 57 pontos. O Paraná Clube chegou em quinto, com 60 pontos, e pegou a último vaga porque o vice-campeão Internacional já tinha assegurado seu lugar ao conquistar a Libertadores daquele ano.

Em 2007, o Fluminense, campeão da Copa do Brasil daquela temporada, terminou em 4º lugar. Por isso, o Cruzeiro, também com 60 pontos se classificou para a Libertadores na quinta posição.

Nos anos seguintes, nenhum time previamente qualificado para a principal competição da América do Sul terminou o campeonato entre os quatro primeiros. Com isso, a pontuação exigida para garantir a vaga aumentou. Em 2008, o Palmeiras se classificou com 64 pontos; em 2009, o Cruzeiro fez 62; e em 2010, o Grêmio conseguiu 63.

Como, em 2011, o Vasco, que garantiu a vaga na Libertadores por ter vencido a Copa do Brasil, é o líder do campeonato, o quinto colocado está se classificando. Atualmente é o Fluminense. A projeção indica que se o tricolor carioca mantiver os atuais 52,6% de aproveitamento, termina a série A com exatamente 60 pontos.

Para atingir essa meta, o Figueirense vai ter que conquistar 24 pontos dos 36 que vai disputar nas últimas 12 rodadas, o que equivale a um aproveitamento de 66,6%, maior do que atual líder Vasco, que tem 62,8%, e muito maior do que os atuais 46,2% do Furacão Alvinegro.

O site Chance de Gol faz uma projeção indicando que o time que fizer 64 pontos ao final do campeonato terá 98% de chances de se classificar para a Libertadores 2012.

É uma parada difícil. É fato. Mas muito time, seja para garantir vaga em competições continentais, ser campeão ou escapar do rebaixamento, já precisou e alcançou seu objetivo dando um sprint final forte. É possível, mas vai exigir um grande esforço.

Atualização de 30/08, 13h10 – Duas variantes ficaram fora do texto original. A primeira é que se o Santos, atual campeão da Libertadores, chegar entre os quatro primeiros, ou em quinto, se o Vasco ficar entre os quatro, o sexto colocado se classifica para a Libertadores do ano que vem. A segunda é que se um time brasileiro for campeão da Copa Sul-Americana, o campeonato brasileiro dará vaga somente para três clubes e não quatro como previsto atualmente. (Agradecimentos ao DeGuGa, Léo, Marcos Silva e Diogo por chamarem atenção para esses detalhes nos comentários abaixo.)

Sul-Americana

Para garantir a Sul-Americana as coisas são bem mais tranquilas. Com exceção de 2007, quando o Atlético Paranaense conquistou a última vaga com 54 pontos e o 12º lugar do campeonato ? o Figueirense ficou fora porque terminou em 13º com um ponto a menos ?, a classificação costuma ser bem menos complicada.

Em 2006, o mesmo Atlético-PR conseguiu a vaga ao completar a competição em 13º lugar, com 48 pontos. Em 2008, foi a vez do Fluminense se classificar com meros 45 pontos, na 14ª posição. Nos dois casos, além da vaga ao time campeão da Copa do Brasil, o ganhador da Libertadores em 2006 e da Sul-Americana em 2008 ? o Internacional em ambos os anos ? também não entrou na conta pela vaga dada no campeonato brasileiro, o que fez o número cair.

O mesmo aconteceu no ano passado. O Internacional foi campeão da Libertadores e o Santos da Copa do Brasil. Com isso, a última vaga para a Sul-Americana foi dada ao 14º colocado do brasileirão, o Flamengo, que fez 44 pontos. Em 2009, quem ficou a última vaga foi o Vitória, que fez 48 pontos e terminou em campeonato

No campo das projeções, o Chance de Gol, único site que conheço que faz esse tipo de cálculo, calcula que com 51 pontos ganhos, a equipe tem 99,7% de possibilidades de assegurar vaga para a Sul-Americana. Quem fizer 50, tem 98,4% e quem parar nos 49, fica com 94,4%.

Para garantir o seu lugar na Copa Sul-Americana, o Figueirense teria então que conseguir 15 dos 36 pontos que vai disputar, um aproveitamento de 41,6%, inferior ao que obteve até o momento.

Rebaixamento

Somente uma vez um time que fez 45 pontos foi rebaixado. Aconteceu com o Coritiba. Terminou em 17º lugar com 45 pontos e caiu. O primeiro a escapar foi o Fluminense, com 46 pontos, que se salvou por ter batido o próprio Coxa no Couto Pereira na última rodada, jogo que terminou numa batalha campal.

Ano passado foi o outro extremo. O Atlético Goianense terminou empatado com o 17º colocado Vitória, ambos com 42 pontos, mas escapou no número de vitórias – 11 contra 9 do time baiano, que acabou rebaixado.
Em 2006, um time poderia ter escapado com 40 pontos, já que o rebaixado de melhor campanha foi a Ponte Preta com míseros 39 pontos. O time imediatamente acima da Macaca, no entanto, foi o Palmeiras que fez 44 pontos.

O site Chance de Gol dá a quem fizer 45 pontos 2,5% de possibilidade de cair. Para o time que chegar a 46, o percentual cai para 0,6%. Comparando essas projeções com o que de fato aconteceu nos cinco campeonatos anteriores, se conclui que é isso mesmo. É muito difícil cair com 45 pontos e 46 é o número mágico para se garantir na primeira divisão.

Nesse caso, o Figueira precisaria acumular mais 10 pontos para permanecer na série A. Seu aproveitamento teria então que despencar dos atuais 46,2% para 27,7% nas últimas 12 rodadas para simplesmente se manter para 2012.

Os dados estão rolando, meus senhores e senhoras, mas como diz o poeta, eles não abolirão o acaso. Façam suas apostas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *