O substituto de Maicon e outras notas

Com a presença de Maicon ainda não confirmada contra o Botafogo no sábado, devido à uma contusão na panturrilha, Jorginho cogita, segundo a imprensa de Florianópolis, escalar Jônatas ou Fernandes caso o camisa 8 do Figueira não tenha condições de jogo.

Por um lado, duvido que Jorginho opte por Fernandes, porque vai deixar o time muito aberto, quase num 4-2-4, o que é ofensivo demais ou muito arriscado para as concepções do treinador.

Por outro lado, em grande parte, concordo com o técnico caso ele opte por Jônatas. Para mim, é sacrificar demais Fernandes posicionando-o tão atrás, tendo que dar combate ao meio-campo e voltar constantemente para fechar o setor.

O lugar do camisa 10 alvinegro é mais à frente, como ficou demonstrado na partida contra o Bahia. Ele tem que ficar perto dos atacantes, onde tem condições de finalizar ou tabelar com os homens de frente. Para mim, ou joga Fernandes ou Elias.

Os dois juntos só em circunstâncias especiais, como foi domingo. O jogo era em casa, o time precisa demais da vitória e o adversário estava todo atrás. Contra o Botafogo não vai ser assim, então Jônatas é o mais indicado, pois tanto faz a função de marcação quanto pode sair para jogo cadenciando o ritmo ou lançando os atacantes no contra-ataque.

Ainda o público no Scarpelli

Suscitou uma boa discussão o post sobre a presença de público nos jogos do Figueirense. Nem todo mundo concorda com o que comentei e vários levantam outras hipóteses igualmente válidas.

Creio que os profissionais do Figueirense devem ficar atentos e avaliar a situação com frieza. Não adianta ficar xingando torcedor que só vai em determinados jogos. Tem que estimular a paixão dele pelo Alvinegro, por um lado, e do outro buscar formas efetivas e práticas de trazê-lo ao estádio. Futebol é paixão e é negócio. Tem que trabalhar as duas coisas juntas para maximizar a presença do público.

Especulações

Falta quase um mês para o jogo contra o Corinthians, mas de domingo para cá já saiu na imprensa nacional que o time paulista tem interesse em Júlio César, Juninho e Roger Carvalho.

É a velha tática, tão antiga quanto o futebol de tentar desestabilizar o time adversário de antemão. João Saldanha, ex-técnico do Botafogo, da seleção brasileira e um dos maiores comentaristas da história do futebol brasileiro, contava em seu livro ?Subterrâneos do Futebol?, quando treinou o Alvinegro carioca o expediente era utilizado nas excursões pelo Brasil.

O Botafogo fazia vários amistosos de norte a sul. Quando a delegação chegava na cidade já procurava saber quem eram os destaques do time adversário e na primeira entrevista para a imprensa local, algum dirigente alvinegro declarava que tinha interesse nesses destaques. Via de regra, os caras não jogavam nada e a vida do Botafogo era facilitada.

Então, meus caros, um dos motivos para vazar na imprensa o suposto interesse pode ser esse. Se não for, é porque interessa a mais alguém.

Protagonista

Isso acontece, porque, independente do que o Figueira faça daqui até o fim do campeonato, o futuro da competição passa pelo Furacão Alvinegro. O time enfrenta Botafogo, Flamengo, Fluminense e Corinthians, times que brigam por título ou, na pior das hipóteses, por Libertadores. Os resultados desses confrontos podem definir o campeonato.

Ainda bem que o Figueira está livre da ameaça de rebaixamento. Chegar nessa fase do campeonato, contra esses adversários, com a faca no pescoço, ia ser um terror.

Manezinhos

Eu pretendia abordar essa questão de time master, viagem à Europa, e ?informe especial? veiculado em todas as emissoras de TV de Florianópolis. Só que o Leandro, do Alvinegro de Capoeiras, escreveu tudo que estava pensando em dizer e perguntar. Então é só clicar aqui e conferir o post dele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *