Figueira ainda não encontrou jeito certo de jogar fora de casa

O campeonato está só no começo e a campanha alvinegra é boa, mas nesses quatro jogos realizados até agora, o Figueirense está encontrando mais dificuldades em furar o bloqueio adversário como visitante do que quando joga no Scarpelli.

Nos dois jogos em casa, o Figueira passou a patrola em cima de Joinville e Brusque. Nas duas partidas, o time soube tomar a iniciativa do jogo e ser eficiente. Criou e marcou logo de cara. Contra o JEC, o gol saiu logo aos três minutos. Contra o Brusque, aos 10. Depois disso, o Figueirense mandou no jogo, ditou o ritmo e chegou à goleada naturalmente.

Fora de casa, no entanto, o time ainda não achou o melhor jeito de superar a marcação dos adversários. A primeira partida ainda tinha o atenuante de ser a estréia na temporada debaixo de um sol escaldante. Contra o Marcílio, porém, já era o quarto jogo e o desempenho da equipe foi muito parecido com o da partida contra o Metropolitano em Blumenau.

Maicon rendeu pouco. Ygor insistiu nos lançamentos longos e errados. Breitner esteve apagado. Bruno também. Os dois atacantes ficaram isolados durante todo o primeiro tempo.

Na maior parte do tempo, o Figueira foi um time sem inspiração, que errou passes em demasia, apelou para as bolas esticadas para o ataque e pouco produziu ofensivamente.

Não é que o time seja dominado e pressionado pelo adversário quando joga como visitante. Tanto contra o Metropolitano quanto contra o Marcílio, os jogos foram truncados, travados, com poucas chances criadas dos dois lados, embora os times da casa tenham levado mais perigo ao gol do Wilson do que o Figueira à meta contrária.

Dois empates fora de casa não podem ser menosprezados. A diferença da campanha do Alvinegro para a Chapecoense é que o time do Oeste venceu um jogo fora, quando teve a vantagem de pegar o fraquíssimo time sub-28 do Avaí.

O técnico Márcio Goiano vai ter que aproveitar o curto intervalo entre um jogo e outro para tentar acertar o esquema para as partidas fora. Primeiro, o Figueira pega o Concórdia no Scarpelli no próximo sábado, mas em seguida vai a Chapecó, num jogo que pode servir para definir quem terminará o primeiro turno na liderança. Talvez, no Indio Condá, o empate não seja suficiente para o Figueirense. Com a qualidade que tem, o time pode jogar mais fora de casa. Já mostrou isso em várias ocasiões durante a série B do ano passado. É só questão de acerto.

0 pensamento em “Figueira ainda não encontrou jeito certo de jogar fora de casa”

  1. Esse Alberoni não é o cara que o Bvai trouxe dizendo que ele colocava o ronaldinho gaucho ou o Kaka no banco nas seleções de base? Baita enganador !!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *