A hora de aproveitar a chance

Estava eu assistindo o programa esportivo da TV COM no domingo à noite para ver o enésimo piti do Miguel Livramento no ano, quando Rodrigo Faraco falou algo com o qual concordo inteiramente.

O jornalista disse que quando comentava que o ?Figueirense podia mais? não imaginava que fosse tão mais assim. É isso mesmo. Eu também não pensava em algo tão grandioso, a ponto da equipe ter possibilidade de ser campeã faltando cinco rodadas para terminar o campeonato.

Para ser sincero, minhas críticas eram mais voltadas à mentalidade fora de campo e à postura dentro dele. Aquele negócio de ficar satisfeito porque equilibrou o jogo contra o São Paulo no Morumbi e só perdeu com um gol no fim porque, afinal de contas, era o São Paulo e só salário do Rogério Ceni paga 50, 60 ou 70% de toda a folha do Figueira. Perder faz perto do negócio, mas ao menos que perdesse mostrando vontade de ganhar e não impondo a si mesmo o empate como limite.

Gradativamente, essa vontade de vencer foi surgindo e tomando corpo. A equipe passou por turbulências, maus momentos, mas engrenou para valer no segundo turno, ganhou confiança e agora o céu é o limite. Estamos testemunhando uma campanha histórica e que enche os alvinegros de orgulho.

Não comentei no post de ontem, mas a vitória de sábado foi positiva também por ter mostrado um time maduro que não sucumbiu à pressão de estar no centro da ribalta, com os holofotes sobre si. O Figueira virou assunto das mesas redondas, é a surpresa do campeonato, é elogiado e ainda assim conseguiu manter o foco.

Não foram poucas as vezes em que, em anos anteriores, o Figueira balançava na hora H. Era só pronunciar a palavra Libertadores e era derrota certa. Agora, parece que a história mudou. Chegou a hora de aproveitar a chance.

13.568 sócios

Aproveitando o texto do Henrique Santos no blog do Meu Figueira chamando os sócios para o jogo contra o Atlético-MG, volto ao assunto para relatar informações repassadas pelo clube.

Na sexta-feira passada, gerente de marketing do Figueirense, Fernando Kleimann, fez contato com o blog para rebater uma das hipóteses levantadas no post Por que está faltando torcedor no Scarpelli?, aquela que listava a possibilidade de os números inflados.

De acordo com Kleimann, depois de finalizado o recadastramento de todos os sócios, o clube tinha, na última sexta-feira, exatamente 13.568 associados adimplentes –  o clube considera adimplante que está com atraso de no máximo de 90 dias de atraso no pagamento da mensalidade.

O gerente de marketing do Figueirense relatou que muitos sócios têm mais de uma cadeira e nem todas são ocupadas em todos os jogos. Kleimann diz que o clube está fazendo campanhas e promoções para incentivar a presença do torcedor no Scarpelli, mas que mesmo nos jogos de maior público, contra Flamengo e Avaí, o percentual de comparecimento dos sócios foi no máximo de 80%.

Feito o registro, está na hora do sócio torcedor bater essa marca. Sábado é casa cheia.